O Demonologista - Por dentro do best-seller!

E então li o tão famoso best-seller de Andrew Pyper. Muito também se deve a minha curiosidade em relação ao título. 

O Demonologista

Confesso que o tema me exerce uma certa atração, isso pode ser refletido nas inúmeras vezes em que assisti ao exorcista. Eu sou aquele tipo de pessoa que não acredita, mas tem sempre um pezinho atrás em relação a certas coisas. Infelizmente, não tenho a mesma frieza do Padre Quevedo para lidar com o sobrenatural.

Filmes e seriados com o tema de possessão sempre me atraíram muito. Deve ser a sensação de medo que eles causam - eu gosto de sofrer alguns sustinhos, tenho problemas, eu sei -  alguns nem tanto. Mas livro eu nunca tinha lido até então...
Mas o que esperar dessa obra?
Uma breve olhadela pela sinopse já foi o suficiente para eu comprar a ideia do autor. Me rendi. Um professor universitário chamado David Ulman - especialista na figura do demônio em diversas culturas - se encontra em uma situação de merda onde toda a sua incredulidade é colocada em cheque. Um estudioso de religiões que é ateu - muito comum eu diria -  eu mesmo conheci vários durante minha estadia na faculdade, mas é um fato que pode ter pegado alguns leitores desprevenidos.
Vídeo: Folheando O Demonologista


Aqui nesse ponto é possível estabelecer uma comparação entre as obras de Pyper e Dan Brown. David Ulman é uma versão mais desgraçada de Robert Langdon. Ambos são personagens acadêmicos que tem suas crenças abaladas no decorrer da narração e, ambos têm uma figura mística atrás do plano de fundo. A diferença é que Ulman é um pouco mais azarado, tomou um galho e perdeu a esposa, a filha foi sequestrada e a melhor amiga está para morrer de um câncer terminal.... Vida de merda...
Por isso o cidadão não pensou duas vezes em aceitar um emprego de um anônimo excêntrico, ainda mais em Veneza. Dinheiro fácil e ainda por cima passaria um tempo tranquilo com sua amada filha... Eu aceitaria a proposta por muito menos, diga-se de passagem.


Em Veneza, Ulman teve o seu primeiro encontro com o sobrenatural.
Sua tarefa era registrar um caso de possessão, e desde então o demônio colou em si como um carrapato "saltando" nas pessoas ao redor - meio parecido com aquele filme merda do Denzel "Possuídos", mas no livro a ideia ficou legal. Ao retornar ao apartamento, o demônio saltou em Tess - sua filha - e sequestrou-a, dando início a jornada do herói.
Daí para frente a aventura se desenrola numa narrativa frenética, uma corrida de gato e rato, onde a personagem se vê obrigada a percorrer milhares de quilômetros resolvendo inúmeros enigmas - baseados na obra do poeta John Milton sobre a figura de Lúcifer, sua especialidade -  para descobrir o paradeiro de sua filha sequestrada, ainda por cima sendo perseguido por um brutamontes misterioso.

A arte do livro é muito boa, e inclui até um posfácio sobre John Milton, interessante para completar a imersão da história. E algumas ilustrações de cunho "capirotístico" podem ser encontradas nos intervalos entre os capítulos. Tudo isso foi realmente muito bem feito.
Em suma....
O "Demonologista" é uma obra muito boa - acredito que não mais do que isso - traz um clima de tensão durante a narrativa, mas não foi capaz de me causar nenhum sustinho. Fiquei no máximo um pouco tenso em algumas passagens. A obra é muito imersiva, o que faz com que você mergulhe de cabeça naquele mundinho e termine rapidamente. Como eu disse anteriormente, o autor é bom em fazer você comprar a ideia do livro. Eu pelo menos, não consegui para até chegar ao fim do mistério.

Conta com uma arte fodástica muito bem trabalhada!

Por @luiznaze10
for @amolivrosnet
Tecnologia do Blogger.